DF TEM GRADUAÇÃO DE CIÊNCIA DE DADOS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

 

  RECONHECIDO POR LANÇAR CURSOS INOVADORES, CENTRO UNIVERSITÁRIO IESB APRESENTA MAIS ESSA NOVIDADE PARA SUPRIR DEMANDA DO MERCADO DE TRABALHO



Definida como a capacidade de desenvolver sistemas computacionais que permitem as máquinas simularem a habilidade humana de solucionar problemas, realizar atividades complexas e tomar decisões, a Inteligência Artificial (IA) está cada vez mais presente no nosso dia a dia. E a lista é variada. Os programas de e-mails, por exemplo, utilizam a IA para filtrar o spam, os médicos a usam para diagnósticos avançados, os robôs para localizarem obstáculos, os carros autônomos para dirigir, os videogames para melhorar a experiência do jogador, os telescópios para aprimorar a qualidade da imagem, os smartphones para reconhecerem objetos, gestos, faces, vozes, músicas e etc. Enfim, se uma tarefa requer mecanismos avançados, programas de computadores podem dar performances muito melhores a essas tarefas por meio da IA. O que era visto antes como ficção científica, hoje é uma realidade.  

 

O rápido desenvolvimento da informática nos últimos anos e as novas demandas do mundo tecnológico já impactaram o mercado. Para ter uma ideia sobre como os investimentos das empresas neste ramo vem crescendo, segundo estudo do banco suíço Julius Baer, o faturamento da indústria de IA deve aumentar 50% ano, em média, chegando a quase 130 bilhões de dólares até 2025. No Brasil, cerca de 40 empresas iniciantes já se dedicam exclusivamente a criar ou aplicar soluções de IA para aumentar a eficiência em setores como seguros, marketing digital, varejo, agronegócios, educação, saúde, legislação, transportes, serviços financeiros e linguagem natural. Além disso, um grupo de 16 empresas no país acaba de anunciar a criação da primeira entidade representativa do setor: a Associação Brasileira de Inteligência Artificial (ABRIA), que reúne tanto startups, quanto empresas já consolidadas na área.

 

Toda esta evolução gera também maior procura por profissionais capacitados. Só nos Estados Unidos, de acordo com relatório recente da PwC (uma das maiores empresas americana de auditoria), dentro de 15 anos, a inteligência artificial assumirá mais de 38% dos empregos no país e isso é só o começo. Especialistas advertem que o cenário ainda será muito mais promissor.

 

É para atender esta demanda, que o Centro Universitário IESB, conhecido no Distrito Federal por seus cursos inovadores, lança o Bacharelado em Ciência de Dados e Inteligência ArtificialAlém de estimular e promover a iniciação à pesquisa científica, o objetivo do curso é formar profissionais com sólida preparação nas áreas de matemática, estatística, tecnologia da informação e comunicação para que eles sejam capazes de explorar e analisar dados, visando à aplicação da inteligência artificial e a inserção no mercado de trabalho. “O bacharelado em Ciência de Dados e Inteligência Artificial é um curso totalmente novo no Brasil, mas já é uma área com muita demanda pelo mercado de trabalho. É considerado o que há de mais inovador no mundo da informação, na automação e conexão de objetos”, afirma o professor Sérgio da Costa Côrtes, coordenador do curso.

 

Buscando uma estreita relação entre teoria e prática, o profissional graduado em Ciência de Dados e Inteligência Artificial no IESB estará preparado para atuar na solução de problemas complexos que envolvam processos matemáticos, estatísticos e computacionais, com grande utilização de ferramentas de softwares empregados na coleta, armazenamento, qualidade, visualização e análise de grandes bancos de dados (big datas). Também estarão habilitados para o desenvolvimento de produtos e protótipos robotizados, implementação de conectividade da “internet das coisas”, aplicação da realidade virtual e identificação de padrões comportamentais com o uso das técnicas e algoritmos da inteligência artificial. “Além disso, o egresso terá embasamento para dar continuidade aos seus estudos em cursos de pós-graduação, buscando uma formação acadêmica ou profissional que lhe permita atuar em universidades e centros de pesquisa”, afirma Côrtes.

 

Entre os diferenciais haverá a utilização intensa de computadores com os principais softwares de mercado e o desenvolvimento de um projeto integrador desde o primeiro período do curso para que os alunos tenham a oportunidade de ampliar a interação com seus pares, definir metas e resultados, construir produtos, simular situações reais do mundo do trabalho, desenvolver competências, habilidades e atitudes significativas para suas inserções no mercado de trabalho. “Isso sem falar na aplicação da Inteligência Artificial, a robotização e a gamificação, integrados com a Ciência de Dados. Sem nenhuma dúvida. Formar profissionais bacharéis graduados em Ciência de Dados e Inteligência Artificial, com um programa inovador, dinâmico, prático e com o rigor que exige uma graduação, será uma ação transformadora na vida de muitos jovens”, conclui o coordenador.



Compartilhe: