Ensino híbrido, uma tendência na Educação a Distância

O palestrante Gustavo Hoffmann explorou a importância das tecnologias digitais, da sala de aula invertida e da utilização da plataforma Blackboard

Adotadas em diversos modelos de ensino no exterior, aos poucos, as metodologias ativas de ensino e aprendizagem ganham força nas Instituições de Ensino Superior (IES) no Brasil e são temáticas obrigatórias no segmento educacional. Durante a Semana de Capacitação Docente, no Centro Universitário IESB, o palestrante Gustavo Hoffmann afirmou, dia 1º de fevereiro, que uma das principais tendências para o ensino superior é a metodologia de ensino híbrida, na modalidade de Educação a Distância (EaD), que não abre mão das aulas presenciais a cada 15 dias, essencial para a troca de conhecimentos entre professor e aluno.

O palestrante identificou pontos importantes que devem ser levados em consideração na construção dos planos de ensino, que, no seu ponto de vista, não deve seguir padrões, mas ser mutável, de acordo com a necessidade da turma – que, ao decorrer dos anos e com a competitividade de mercado, tornou-se heterogênea, composta por diferentes classes sociais e embasamentos teóricos. “Hoje, recebemos um público completamente diversificado em sala de aula e devemos lidar com diferentes formações e preparos. Isso é um desafio para nós, professores”, pontuou.Gustavo-Hoffmann-Palestra-ensino-h-brido-palco.jpg

Tendências para o ensino superior

Gustavo Hoffmann destacou ainda a importância de cada estudante entender previamente suas limitações cognitivas e sociais. Para ele, o modelo híbrido tem atraído cada vez mais adeptos, pois se adequa à realidade de estudantes que desejam a mobilidade de poder estudar em casa e participar de aulas presenciais. “Ainda separamos muito o ensino presencial do ensino a distância. A tecnologia da informação e da comunicação na Educação a Distância (EaD), conciliada a elementos do presencial, resulta na efetiva aplicação do conteúdo visto na plataforma online”, destaca Gustavo. Na sua opinião, a junção desses elementos configura o modelo híbrido, também conhecido como blended learning.

Segundo o especialista, três elementos têm mudado o ensino superior no Brasil: a metodologia híbrida, a inversão da sala de aula e o método Just-in-time. Estes compõem um tripé que, em no máximo cinco anos, vai predominar a educação. “O melhor jeito de implementar o ensino híbrido no educação superior é pela inversão da sala de aula. Ou seja, acesso a conteúdo deveria acontecer em qualquer hora e em qualquer lugar. O aluno assiste vídeos em casa e vem à escola para aplicar esses problemas de forma prática”. De acordo com Hoffmann, o modelo tradicional Just-in-case, composto de aula expositiva, é ineficaz, já que duas semanas após uma aula, o aluno tende a esquecer 80% do conteúdo apresentado. “Faz muito mais sentido seguir o modelo Just-in-time, que explora o conteúdo a partir de problemas para encontrar ferramentas de solução”.

Gustavo-Hoffmann-Palestra-ensino-h-brido.jpg

Ganhos de satisfação, de tempo e de aprendizagem

Um primeiro passo é a formação em novas metodologias de ensino: utilização do método Project Based Learning (PBL) – que significa “Aprendizagem Baseada em Projetos” –, estudos de caso, Design Thinking – conjunto de métodos e processos para abordar problemas –, além do Peer Instruction, conhecida como “Instrução aos Pares”. Depois, segundo ele, o processo de “tentativa-erro” fará a medição da curva de aprendizado. “O professor tem que ir para dentro da sala de aula aplicar, de forma colaborativa com colegas, professores, coordenação e núcleo de apoio pedagógico”, disse. “E o principal indicador de tudo isso é a aprendizagem”, complementou.

O ensino superior brasileiro vive uma revolução, com novas tecnologias, conteúdo digital que substituem aulas expositivas e metodologias de ensino voltadas ao mercado. “É preciso inserir mais prática ao processo educacional, trazendo o mundo real para dentro da sala de aula. O modelo tradicional tem prazo de validade, por isso, é urgente aplicar metodologias diferentes”, destaca o especialista, que acredita na satisfação e no desenvolvimento de competências como pontos focais de trabalho.

Homenagem

Na Semana de Capacitação Docente, Gustavo Hoffmann recebeu um Certificado de Agradecimento da reitora professora Eda Coutinho. “Esta é uma homenagem pela parceria na abordagem de temas ligados à inovação e às novas tecnologias educacionais. Esses são assuntos imprescindíveis em nosso meio acadêmico”, ressaltou a reitora Eda Coutinho.

Anny Cassimira 


Compartilhe: