IESB e o seu manifesto no Dia Internacional da Mulher

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, o Centro Universitário IESB realizou um manifesto com a participação de alunos, professores, funcionários e a comunidade. A ação aconteceu na Praça da Ceilândia na manhã do dia 8 de março.

O manifesto centralizou a ação na pergunta “Por que vamos parar no dia 8 de março?”. Estiveram presentes o Vice-Reitor do IESB, professor Edson Machado Filho, o Vice-Reitor Acadêmico, professor Luiz Cláudio Costa, a Pró-Reitora Acadêmica, professora Regina Tombini, a coordenadora do curso de Direito, professora Any Ávila, a coordenadora do curso de Serviço Social, professora Juliana Paiva, o coordenador do curso de Psicologia do Campus Oeste, professor Roberval de Souza, e a coordenadora do curso de Estética e Cosmética, professora Gardênia Sampaio. Ainda, representantes e professores dos cursos marcaram presença no manifesto.

Manifesto-Dia-da-Mulher-1.jpg

Manifesto-Dia-da-Mulher-2.jpg  Manifesto-Dia-da-Mulher-3.jpg

Os alunos do IESB também fizeram sua parte e mobilizaram a comunidade com frases de respeito e apoio à mulher. Além de auxiliarem nos serviços prestados dentro do espaço da instituição na Praça da Ceilândia.

Manifesto-Dia-da-Mulher-8.jpg  Manifesto-Dia-da-Mulher-9.jpg

Manifesto-Dia-da-Mulher-11.jpg  Manifesto-Dia-da-Mulher-10.jpg

Durante a ação, houveram diversos serviços à sociedade a partir dos cursos de Direito, Psicologia, Serviço Social e Estética e Cosmética. A população da Ceilândia pôde tirar dúvidas jurídicas, solicitar atendimento social, participar de um acolhimento psicológico além de realizar serviços estéticos, como limpeza de pele, maquiagem e design de sobrancelhas.

Manifesto-Dia-da-Mulher-5.jpg  Manifesto-Dia-da-Mulher-7.jpg

O IESB em prol da mulher

Como uma extensão dos serviços prestados à comunidade, como o Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ), o IESB desenvolve um plano de acompanhamento e relevância às mulheres durante todo o ano. Os dados apresentam que os números de atendimentos a elas são significativos. Em um levantamento feito pela Clínica de Psicologia do Campus Oeste apresentou que 60,60% da procura por atendimento é feito pelas mulheres. Dessa estatística, aproximadamente 30% já relatam no acolhimento que já sofreram ou sofrem algum tipo de violência. “Acreditamos que o número pode ser maior em função de que, no decorrer do atendimento, a situação de vulnerabilidade surge como demanda, e não inicialmente”, explica Francisco Neylon, psicólogo responsável técnico do Serviço Escola de Psicologia do IESB Oeste.

No âmbito jurídico, o NPJ da instituição possui uma unidade de apoio específico às mulheres. No ano passado, foram realizados 686 atendimentos femininos nas duas unidades do NPJ (Campus Norte e Oeste). Desse número, 301 movimentaram ações judiciais.

Dentro do âmbito do IESB em Ação, diversas atividades são realizadas para as mulheres durante o ano. Um desses projetos é o “E agora mãe?”, em que adolescentes grávidas são amparadas por atendimento psicológico durante o período de gestação. Também realiza-se atividades de conscientização exclusivas às mulheres, como o Outubro Rosa. 

Por Laura Maria


Compartilhe: