IESB recebe 3ª edição da maratona Game Jam

Nos dias 1° e 2 de dezembro, será realizado no Centro Universitário IESB a 3ª edição do Game Jam. A maratona terá início às 8h15 na sexta-feira, 1/12, seguindo até 17 h do sábado, dia 2/12. Serão de 36 horas de imersão, tempo que os alunos têm que produzir um jogo completo, utilizando uma mecânica com um tema definido no início do evento. Durante a tarefa, os alunos poderão utilizar apenas as ferramentas que estiverem disponíveis no laboratório do IESB.  A organização é do coordenador do curso de Jogos Digitais, professor Felipe Costa, com o apoio dos professores João Rodrigues, Felipe Vieira e Alexandre Chacon.

 

O Game Jam é uma atividade restrita aos alunos do IESB No total, 60 vagas foram oferecidas a alunos de todos os semestres dos cursos de Jogos Digitais (35) e Design Gráfico (15). As vagas foram preenchidas em 15 minutos. Os estudantes podem atuar individualmente ou formar equipes de quatro a cinco pessoas, mesclando pessoas dos dois cursos para que troquem experiências. “O objetivo do evento é que o aluno adquira experiência na produção de um jogo, trabalhando com a ideia de um jogo mais simplificado possível, no tempo estabelecido, administrando esse tempo. Isso é uma experiência incrível. Alguns alunos aprendem muito mais no Game Jam do que fazendo um jogo sozinho, pois há muita troca de informação com os colegas do grupo. A interação dos estudantes de Jogos Digitais com os de Design Gráfico é boa por se tratar de perfis diferentes. Eles usam conceitos muito mais dinâmicos e artísticos, que podem ser implementados na área de jogos, sendo que os alunos de Jogos Digitais possuem mais conhecimento na mecânica, dessa forma, a troca experiências e conhecimentos é altamente desejável”, explica Felipe.

 

O escopo para criação do jogo é limitado, o tempo é curto e isso faz com que os alunos aprendam a lidar com as adversidades da criação de um game. Nesse prazo, a mecânica precisa ser implementada de forma funcional e ainda precisam driblar o cansaço, pois eles ficam acordados durante todo o processo de desenvolvimento do jogo, ou seja, 36 horas sem dormir. Os próprios alunos administram o tempo, se quiserem descansar é permitido, mas o companheiro de equipe tem que continuar produzindo pois, o tempo estará correndo. “Já tivemos situações engraçadas como alunos que vão de pijama, almofada, levam Red Bull e garrafa de café para conseguirem ficar mais tempo acordados”, conta Felipe. Ao fim, haverá apresentação dos jogos de cada grupo.  Não nenhuma forma de premiação, já que o objetivo é fazer uma atividade pedagógica e não uma competição. No entanto, os alunos receberão 36 horas complementares nos seus respectivos cursos.

Por Assessoria de Imprensa


Compartilhe: