Professora Eda ganha reconhecimento de alunos do Mestrado em Administração

No último dia 02 de dezembro às 20h, a Professora e Reitora do Centro Universitário IESB, Eda Machado, foi honrada pelos alunos de Mestrado em Gestão Estratégica de Organizações com uma placa de reconhecimento e agradecimento pela criação do curso, o qual ofertou aos alunos um aprendizado intenso, rico, colaborativo e dinâmico.  Os alunos demonstraram gratidão em jantar no Coco Bambu com a Reitora.

O professor e coordenador do curso, Thiago Nascimento, relata que o primeiro semestre de mestrado em administração foi um semestre de grandes conquistas e projetos surpreendentes. Segundo o professor os alunos vivenciaram a prática do mestrado,  “em métodos quantitativos e qualitativos, os alunos trabalharam análise estatística  e textual”. Os alunos também apresentaram projetos em Planejamento de Pesquisa em Administração. 

O aluno Alberto Peverati conta que a turma foi guiada em cima de um “mestrado acadêmico que aprofundou os conhecimentos na área de administração mas, em plena sintonia com o mercado atual”. Alberto conta que a postura dos professores auxiliou na construção de um semestre que foi marcado pela visão do mercado de trabalho, sem esquecer do âmbito acadêmico.

“O melhor foi que esse semestre deu uma oportunidade a cada aluno, de construir seu próprio projeto, com total liberdade fazer algo a partir do ponto de vista pessoal”, declara Alberto, que tem seu projeto com o IESB Lab, da incubadora de empresas do IESB e da Universidade de Aveiro, Portugal. Seu projeto consiste em um estudo comparativo que compara elementos que estimulam a diversidade nas universidades, com elementos distintos da estrutura. 

No jantar, os alunos expressaram suas expectativas para o próximo semestre em 2018: mais práticas, mais aprendizados. Professora Eda, homenageada da noite, por investir na educação com o mestrado, trouxe ao IESB  o curso que tem aplicação de conhecimento por alunos, embasado nos fundamentos da inovação, das novas tecnologias e do rigor científico.

 

Por Mateus Rosa


Compartilhe: