Projeto oferece aulas de português a distância para refugiados

Publicado em 9 de abril de 2020

Alunos-voluntários do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário IESB auxiliam imigrantes e refugiados a se inserirem à sociedade brasileira

A solidariedade persiste em tempos de pandemia global. Mesmo com o isolamento social, as pessoas se esforçam para manter as atividades essenciais para a sociedade. Com os refugiados, não seria diferente. Grupos de alunos que participam do Observatório de Direitos Humanos do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário IESB concedem aulas de português voluntariamente para refugiados com ferramentas de videoconferência.

O projeto encabeçado pela professora de Relações Internacionais do IESB Francisca Gallardo tem foco na educação em Direitos Humanos. Para ela, esse é um dos eixos fundamentais para a educação como um todo. O objetivo central é oferecer aulas de português para os refugiados que vieram para o Brasil e, dessa forma, facilitar a estadia deles aqui. Além disso, os participantes são treinados para conhecer melhor e promover na prática os Direitos Humanos.

“O idioma é preponderante e conector de toda a população brasileira. É um importante elemento de unidade, mas para os imigrantes legais e refugiados significa, muitas vezes, uma barreira”, explica a professora, em documento oficial do projeto.

Os responsáveis por ministrarem as aulas são alunos-voluntários do curso. Um deles, o estudante Luiz da Silva conta que cada professor voluntário atende dois refugiados. “É tudo feito a distância. Com ferramentas de videoconferência”, explica. Os horários das aulas tendem a se manter os mesmos, todos os sábados, entre 15h e 18h. “Mas isso não é uma regra. Estamos todos disponíveis para atender quem se interessar ou precisar dessas aulas”, completa.

Além disso, Luiz reforça que o trabalho dos voluntários vai além de ensinar português. “Eu e os alunos acabamos prestando também orientações gerais de como se prevenir, onde e como procurar ajuda no combate ao coronavírus. A ideia é minimizar ao máximo os impactos da crise nesta população mais vulnerável”, alerta.

Atualmente, o projeto presta atendimento a refugiados do Haiti, da Cuba e de Gana. Para participar, é necessário entrar em contato com os responsáveis por telefone nos horários indicados e combinar o dia das aulas com os professores disponíveis.

Sábado de 15h às 17h

Celma Amorim – 99218-8318

Luiz da Silva – 99829-9691

Rodrigo Duarte – 99535-4351

Sábado de 16h às 18h

Maiara – 98442-7221

Maria Clara – 98209-8362

Katylenne – 99304-4435

Por Profissionais do Texto

Mais notícias

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Ao acessar nossas páginas, você concorda com tal monitoramento. Conheça nossa Política de Privacidade.