Coronavírus: veja como receber delivery em casa com segurança

A queda no movimento em bares e restaurantes no Distrito Federal devido à pandemia do coronavírus fez com que muitas casas começassem a intensificar a operação de delivery: não é todo mundo que sabe cozinhar, e a comodidade da comida pronta atrai quem entrou em quarentena.

Como o preparo do alimento e a entrega ainda envolvem, em algum grau, contato humano, é preciso tomar algumas precauções. Uma medida inicial é evitar encontrar-se com o entregador e, se possível, pagar o serviço pelo aplicativo e solicitar que o alimento seja deixado na porta de casa. “Como não sabemos quem tem ou não o vírus, sim, qualquer contato evitado é benéfico.

Portanto, é recomendável solicitar ao entregador deixar a comida na porta”, comenta o infectologista Eduardo Finger, pesquisador e coordenador do laboratório de pesquisa do Hospital Oswaldo Cruz e Care Plus.

“A temperatura é nosso principal aliado. Da panela à montagem do prato, a temperatura cai para uns 70°C e a comida deve ser transportada imediatamente. O ideal é que o tempo até a casa do cliente seja o menor possível, porque quando o alimento está entre 10°C e 60°C, as bactérias se proliferam rapidamente. O melhor é pedir de um restaurante perto de casa, com tempo de entrega de no máximo 30 minutos”, instrui Rachel Caetano, professora do curso de Gastronomia no Iesb.

Segundo ela, é preciso evitar, durante a crise, pedir alimentos crus como saladas e frutas: é melhor higienizá-los e prepará-los em casa. “Outro passo importante é, caso a pessoa perceba que a comida não está muito quente, esquentar o alimento novamente”, instrui a professora, que também recomendou passar o preparo para um prato antes de comer. “Ainda não sabemos muito da biologia desse vírus, mas as altas temperaturas matam outros microorganismos”, adverte.

Quem não quiser comer na hora da entrega deve guardar a comida imediatamente na geladeira. O alimento deve ser consumido em até 24 horas.

Por Profissionais do Texto



Compartilhe: